Publicado em 2 comentários

Quanto mais exercício físico, melhor? Não necessariamente, entenda por quê

Crédito: Pixabay

Todo mundo sabe de cor que a prática de atividade física contribui muito para termos uma vida mais saudável. Ela é benéfica à nossa saúde, proporciona prazer, bem-estar e pode contribuir na prevenção e tratamento de uma série de problemas de saúde como doenças cardiovasculares, diabetes do tipo 2 e até mesmo vários tipos de câncer e doenças neurodegenerativas, podendo ser considerados como uma estratégia não-medicamentosa que leva para longe a possibilidade de desenvolver essas doenças. Mas será que quanto mais nos exercitamos, melhor? Ou existe uma dose certa?

A relação entre exercícios físicos e inflamação

Grande parte dos benefícios da atividade física regular para nossa saúde tem a ver com o fato de que essa prática está associada a uma diminuição da inflamação que consequentemente pode melhorar nossa saúde metabólica.

A inflamação é uma reação biológica normal do nosso corpo, que defende nossas células de lesões e agentes agressores. pensando assim, a inflamação nos é benéfica e nos protege. Porém, pode se tornar um problema se ela se torna crônica.

No entanto, a prática de exercícios físicos tem um efeito anti-inflamatório importante, estando associada à redução de várias citocinas inflamatórias. Isso acontece quando praticamos atividades físicas regulares e moderadas. Esse quadro muda se passamos a praticá-las em excesso, podendo ter um efeito contrário ao esperado. Exercício físico em excesso não é saudável .

Exercício físico em excesso não é saudável

Um estudo publicado na revista Cytokine com a participação de pesquisadores da Escola de Educação Física e Esporte de Ribeirão Preto (EEFERP) da Universidade de São Paulo (USP), viram que os efeitos do treinamento excessivo se refletem em problemas que afetam vários tecidos, como o muscular, fígado, coração e sistema nervoso central, e os danos podem ser mais profundos do que se imaginava.

Além do aumento de citocinas inflamatórias no sangue, os pesquisadores observaram problemas na sinalização de insulina no músculo, ou seja, o músculo tinha dificuldade de captar a glicose no sangue para ser usada como energia. Quando a glicose não é captada pelos músculos, ela é armazenada no fígado e o excesso de glicose nesse órgão pode se transformar em gordura. O acúmulo de gordura no fígado, por sua vez, desencadeia mecanismos pró-inflamatórios aumentando ainda mais os níveis de citocinas inflamatórias no sangue. O coração também sofre com esse problema de captação de açúcar, já que ele também é um músculo e precisa de glicose para bater.

O cérebro também foi afetado pela rotina de treinos exagerados. Os pesquisadores observaram um aumento da inflamação no hipotálamo. O hipotálamo é a região no nosso cérebro que controla, entre outras coisas, nosso comportamento alimentar.

Exercite-se na dose certa.

Esse trabalho mostra a atletas, treinadores e coaches esportivos a importância do desenvolvimento de estratégias que evitem o treinamento crônico excessivo para que os atletas tenham suas capacidades físicas máximas, mantendo sua saúde física e também mental. Além disso, serve de alerta para qualquer pessoa que pratique atividade física de forma excessiva.

Vejo por aí muita gente praticando exercício físico de forma extenuante. Geralmente sem prazer, apenas com o objetivo de emagrecer ou atingir um corpo ideal. Mas do mesmo modo que uma dieta restritiva, a prática de exercício físico em exagero estressa nosso corpo e nosso cérebro. O que deveria nos proporcionar mais saúde, satisfação e bem-estar nos deixa mais cansados mental e fisicamente.

Portanto, busque uma atividade física que goste de fazer e pratique-a na dose certa para você, sempre respeitando o seu corpo. Assim como na nossa alimentação, no caso de exercícios físicos, equilíbrio também é a chave para se ter mais saúde!

Fonte: Blog da Sophie Deram

Pra você que pratica exercício físico, nós da Caseiramente sugerimos a nossa linha de Refeição Saudável. Além de serem balanceadas, possuem os chamados carboidratos complexos que são digeridos e absorvidos lentamente, ocasionando aumento pequeno e gradual da glicemia. Com isso, a sensação de saciedade dura mais tempo, e por consequência, colabora no processo de emagrecimento.

2 comentários sobre “Quanto mais exercício físico, melhor? Não necessariamente, entenda por quê

  1. Awesome Web site, Maintain the very good job. Appreciate it!

    1. Thank you, and come back soon! 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *